Sabrina Delannoy faz um balanço das quartas

Equipe feminina

A Copa do Mundo de futebol feminino de 2019 é disputada na França entre 7 de junho e 7 de julho desse ano e convidamos ex-jogadoras do PSG para comentarem as rodadas do campeonato. Depois de Laure Boulleau e Nadia Benmokhtar, chegou a vez de Sabrina Delannoy. Ela falou pra gente o que achou das quartas de final, em especial da partida da França.

França eliminada

« O Parc des Princes estava com um clima especial com as garotas naquele dia. Eu acho que até mesmo quem assistia a partida de casa também acreditava que dava pra passar. Infelizmente, não deu. É verdade que todos nós, franceses, ficamos desapontados porque, obviamente, era a seleção da França, mas também porque vimos que as jogadoras sentiram muito a derrota. Ainda assim, a gente tem de destacar a Kadi (Diani), que teve uma grande atuação no mundial. Destaque também para Éve (Périsset) e Grace (Geyoro), que estrearam nessa Copa. Apesar de tudo, elas participaram de um campeonato com momentos excepcionais. Arenas cheias, torcedores que apoiavam o grupo pra valer. Espero que isso sirva de experiência para o desenvolvimento dessas atletas, nós nos veremos daqui a quatro anos no próximo mundial. »

Hanna Glas na semi-final

« A Suécia da Hanna (Glas) é a maior supresa dessa Copa do Mundo. A Alemanha de Sara Däbritz foi eliminada da competição e perdeu automaticamente a vaga para os Jogos Olímpicos de 2024, uma pancada dura. A Suécia levou a melhor e vai pegar a Holanda na semi-final. Pra ser sincera, a Suécia tem boas características, boas armas para ao menos por em risco as holandesas — últimas campeãs da Europa. Seja como for, Hanna Glas está vivendo grandes momentos. Eu desejo que ela consiga avançar no campeonato e levar o título do mundial pra casa. »