Nadia Nadim: "A aventura continua, obrigada Paris"

Equipe feminina

A atacante dinamarquesa renovou seu contrato com o Paris Saint-Germain. Há seis meses no clube, Nadia falou sobre seus primeiros momentos sob as cores do clube da capital, assim como o seu futuro

Nadia, você renovou seu contrato com o Paris Saint-Germain. Quais são as razões para esse seu amor pelo clube da capital?

Existem tantas coisas... Primeiramente, eu me apaixonei não só pela cidade de Paris, mas pela mentalidade dos franceses em geral. Ela combina comigo perfeitamente. Eu amo essa abordagem relaxada e descontraída. E gosto também das minhas companheiras de equipe, são grandes jogadoras e o clube é obviamente um dos maiores da Europa. Sinto-me melhor como jogadora, mas também como pessoa desde que cheguei aqui. E acho que ainda tenho muito a aprender e dar ao clube. É algo natural para mim e já estou animada para a próxima temporada.

Qual o seu balanço no clube Rouge & Bleu?

Minha última temporada aqui foi fantástica. Como jogadora, estou um pouco desapontada por não ter conquistado o título, mas crescemos como equipe, embora ainda haja muito a aprender. A base de nossa melhoria para o próximo ano já está aqui. Apenas alguns ajustes são necessários, especialmente mentalmente. Nós temos as jogadoras, temos muito talento no elenco, mas nos falta experiência porque a equipe é muito jovem. A última etapa a ser superada está no plano mental. Nós devemos acreditar que isso é possível. Um dos últimos jogos do ano foi contra o Chelsea. Perdemos por 2 a 0 na ida, e a equipe mostrou todo o seu caráter para vencer o segundo jogo por 2 a 1, mas não foi suficiente para se classificar. Temos que ter essa mentalidade vencedora em todas as partidas, especialmente durante os grandes duelos como contra o Lyon ou na Liga dos Campeões.

O que você pode somar à equipe nos próximos anos?

Acho que posso trazer experiência em grandes duelos, porque já disputei muitas partidas importantes. Já estou sob pressão, adoro esta atmosfera e quero que as jovens jogadoras gostem também. É algo que aprendi durante meu tempo nos Estados Unidos. Eu tive isso antes, mas tornou-se essencial durante este período. E você pode aprender muito com isso, porque 80% do futebol vem da mente.