Pablo Sarabia: "Dar o máximo por esta camisa"

Coletiva de imprensa

Na véspera de sua estreia no Parc des Princes, o meia espanhol respondeu algumas perguntas dos jornalistas, no auditório do Centro Ooredoo. Confira os destaques

SEUS OBJETIVOS COM A CAMISA PARISIENSE

“Primeiramente, o que me motiva é agradecer ao Paris Saint-Germain pela confiança depositada. Quero dar meu máximo, é meu objetivo prioritário, antes de pensar em ser titular. Quero fazer o meu melhor para o treinador e a equipe.”

SUA ADAPTAÇÃO

“Meus primeiros passos foram bons, fui muito bem recebido pelos meus novos companheiros de equipe. Há uma boa atmosfera no grupo, então não tenho nenhuma apreensão em particular. Vou tentar me adaptar ao grupo, para me integrar o mais rápido possível. Ainda estou em processo de adaptação e vou me concentrar em aprender francês, já que falar a língua também faz parte deste processo.”

SUA POSIÇÃO PREFERIDA

“Quero ajudar a equipe fazendo gols e dando assistências. Minha posição preferida é pelos lados, seja na direita ou esquerda.”

PARIS, UM OUTRO UNIVERSO

“Antes de vir para cá, sabia que o Paris Saint-Germain era um dos cinco melhores clubes do mundo, a oportunidade de atuar aqui era, portanto, algo imperdível para mim. Por isso, não hesitei antes de embarcar neste desafio. O Parc des Princes é um local excelente, os torcedores são apaixonados nas arquibancadas, então mal posso esperar para descobrir esta atmosfera e fazer meus primeiros minutos aqui, com esta camisa. É claro que o Paris Saint-Germain é um clube muito exposto na mídia, sei que a expectativa é grande aqui, mas estou tranquilo.”

SUA RELAÇÃO COM THOMAS TUCHEL

“Meu relacionamento com o treinador é muito bom. Eu me adapto bem, sei os conceitos do treinador, suas ideias, e tento transcrevê-las em campo. Em relação aos lances de bola parada, vou dar o meu melhor para evoluir e fazer a equipe aproveitar.”

 SEUS COMPATRIOTAS ESPANHÓIS

“Os primeiros contatos com o Paris Saint-Germain remontam ao início do verão, no mês de junho. Eu sabia que havia muitos jogadores de língua espanhola na equipe, mas assinei aqui pelo clube, mais do que para me juntar a Juan Bernat e outros jogadores espanhóis. Já havia tomado a decisão, porque atuar aqui era uma oportunidade única.”