O Paris Saint-Germain nas semifinais, episódio 6!

História

Antes do duelo entre Paris Saint-Germain e Leipzig, o PSG.FR convida você a reviver as cinco semifinais europeias em que o clube participou ao longo de sua história

1992-1993 / Semifinal da Copa da UEFA contra a Juventus (1-2, 0-1)

O Paris Saint-Germain, que acabara de eliminar o Real Madrid, enfrentava a Juventus por uma vaga na final da Copa UEFA. No jogo de ida em Turim, os Rouge et Bleu rapidamente abriram o placar com George Weah (23'/1ºT) e pareciam estar caminhando para uma nova façanha. No segundo período, a Velha Senhora reagiu e empatou com Roberto Baggio (10'/2ºT). Os parisienses seguraram este bom empate até Roberto Baggio, no final da partida, marcar em cobrança de falta (45'/2ºT). No Parc des Princes, o clube parisiense deveria marcar para se classificar. A partida foi tensa, os zagueiros italianos multiplicaram as faltas e George Weah viu um pênalti claro não ser marcado após falta de Carrera (27'/2ºT). Este foi o ponto de virada da partida: em cobrança de falta de Vialli, Baggio desviou e abriu o placar (32'/2ºT). Era o fim das esperanças para o Paris Saint-Germain. Michel Denisot se mostrou decepcionado com esta eliminação: “É muito difícil ser privado de uma penalidade tão óbvia. É uma lição, mas muito difícil."

/media/184667/papier-1.jpg

1993-1994 / Semifinal da Recopa contra o Arsenal (1-1, 0-1)

O Paris Saint-Germain sofreu contra o Arsenal no jogo de ida no Parc des Princes: após uma primeira defesa excepcional de Bernard Lama em chute de Jensen (24'/1ºT), o goleiro parisiense nada pôde fazer em cobrança de falta de Davis desviada de cabeça por Wright (35'/1ºT). O Paris Saint-Germain empatou em cobrança de escanteio de Valdo, desviada de cabeça por Ginola (5'/2ºT). O placar não mudou mais, e os Rouge et Bleu tinham de vencer fora de casa para para se classificar. Em Londres, Artur Jorge surpreendeu ao escalar Raí no lugar de George Weah. Os parisienses criaram muitas oportunidades de gol, mas os londrinos foram mais eficientes: Campbell marcou de cabeça apesar de um mergulho desesperado de Lama (6'/1ºT). O placar não mudou, e o Paris Saint-Germain foi eliminado, com um Bernard Lama decepcionado após a partida: “Para vencer, é preciso fazer gols. Eles nunca nos colocaram em perigo, mas todos os nossos atacantes ficaram no quase..."

/media/184668/papier-2.jpg

1994-1995 / Semifinal da UEFA Champions League contra o AC Milan (0-1, 0-2)

Após eliminar o FC Barcelona na fase anterior, o Paris Saint-Germain enfrentava outro grande nome do futebol europeu: os italianos do AC Milan. Na ida, no Parc des Princes, David Ginola fez grande jogada ao driblar Panucci, mas a bola explodiu no travessão (39'/2ºT). Foi a virada da partida: após um escanteio parisiense, os milaneses cruzaram rapidamente o campo adversário e Boban marcou após passe de Savicevic (46'/2ºT). No jogo de volta, a defesa parisiense foi vencida por Savicevic, que bateu na saída de Lama (21'/1ºT), e depois, Desailly interceptou uma bola para lançar novamente Savicevic, que marcou mais um e enterrou as esperanças parisienses (23'/2ºT). O técnico Luis Fernandez fez questão de ressaltar a qualidade dos jogadores italianos: “O Milan foi mais forte e nos deu uma nova lição de eficiência. Para nós acabou, voltamos a cair nas semifinais, mas vamos tentar voltar e ganhar esta Champions League".

/media/184669/papier-3.jpg

1995-1996 / Semifinal da Recopa contra o La Coruña (1-0, 1-0)

O Paris Saint-Germain queria evitar o azar, após três eliminações consecutivas nas semifinais. Na Espanha, os parisienses, sem Raí ausente por lesão, contaram com o talento de Bernard Lama, impecável diante das tentativas do La Coruña. Caminhávamos para o empate quando Youri Djorkaeff foi decisivo: após uma arrancada de quarenta metros, o “Snake” tabelou com Pascal Nouma e marcou (45'/2ºT). O Paris já tinha um pé na final graças ao feito de Djorkaeff, que havia entrado em campo poucos minutos antes do seu gol. No jogo de volta, no Parc des Princes, o duelo foi aguerrido e foi necessário aguardar Djorkaeff lançar Loko, que abriu o placar na etapa final (14'/2ºT). Luis Fernandez apreciou muito esta primeira classificação para uma final europeia: “Estou feliz. Pode não ter sido um grande jogo, mas foi difícil para os nervos. Tivemos medo, mas controlamos o resultado do jogo de ida".

/media/184670/papier-4.jpg

1996-1997 / Semifinal da Recopa contra o Liverpool (3-0, 0-2)

O Paris Saint-Germain teve um excelente início de jogo na ida no Parc des Princes: Leonardo cruzou para Cauet, que finalizou. O arremate do meia parisiense foi rebatido de volta para Leonardo, que marcou à queima-roupa (11'/1ºT). Pouco antes do intervalo, o Paris Saint-Germain aumentou: em um cruzamento de Jérôme Leroy, James, o goleiro do Liverpool, desviou com dificuldade, e Cauet marcou de canhota (42'/1ºT). No final da partida, Cyril Pouget fez um cruzamento perfeito para Jérôme Leroy, que marcou seu primeiro gol como parisiense (39'/2ºT). Apesar desses três gols, os parisienses estavam cautelosos e sofreram no "inferno" de Anfield Road. A defesa do Paris Saint-Germain fracassou logo na primeira oportunidade de gol dos ingleses: Collymore lutou contra Ngotty e tocou de volta para Fowler, que imediatamente abriu o placar (10'/1ºT). O Liverpool correu para o ataque, e o Paris Saint-Germain se defendia heroicamente, até Wright marcar o segundo gol de cabeça (34'/2ºT). A partir desse momento, a pressão tornou-se terrível, mas o placar não mudou. O Paris Saint-Germain iria desafiar o Barcelona na final para manter sua taça, enquanto Bernard Lama homenageava seu adversário: “Foi o mais difícil de todos os nossos jogos europeus. Quero mais atmosferas assim".