10 anos de QSI: os rostos que marcaram a capital

Clube

Em junho de 2021, o Paris Saint-Germain está comemorando dez anos desde a chegada da Qatar Sports Investments à frente do clube. Uma oportunidade para o PSG.FR voltar aos grandes homens que marcaram a última década

Obviamente, seria difícil resumir em poucas linhas os dez anos que o Paris Saint-Germain percorreu e compilar todos aqueles que deixaram sua marca no clube, ganhando o coração dos torcedores.
Foram mais de 70 contratados vindos dos quatro cantos do globo e cerca de vinte países diferentes para fazer brilhar a Cidade Luz, sublimar competições e silenciar os estádios mais vulcânicos.


Entre os rostos mais emblemáticos, é difícil não falar de Zlatan Ibrahimovic. Após chegar em 2012, o nativo de Malmö deixou uma marca indelével no Campeonato Francês, conquistando 11 troféus, três títulos de melhor jogador da Ligue 1, um número impressionante de 156 gols e até uma vaga no dicionário. Poderoso, indiscutível, conquistador, Ibra tornou-se o maior artilheiro da história do clube ao longo de uma temporada com 50 gols em 2015-2016. Uma aposta de sucesso para dar credibilidade às ambições dos novos líderes no panorama do futebol.

Mas antes dele, também há uma infinidade de reforços. Mais discretos, mas não menos marcantes. Quando a QSI chegou, no verão de 2011, nada menos do que nove jogadores assinaram contrato na capital, como Blaise Matuidi e Javier Pastore. O primeiro é francês, vindo do Saint-Étienne e encarnando o talento formado na Ligue 1. Três pulmões, uma dedicação em todos os momentos e um amor pela camisa que fez o orgulho do clube por seis temporadas. O segundo é argentino e cruzou os Alpes para brilhar sobre o Sena. Com magia e passes emocionantes, Pastore conquistou a capital, deixando alguns momentos inesquecíveis na memória, como seu gol contra o Chelsea em 2017.

E então, o inverno seguinte também viu muitos jogadores famosos largando as malas em Paris. Thiago Motta e Maxwell eram a personificação perfeita. O italiano, referência inimitável no meio-campo, deu ao clube a inteligência de jogo e o talento de grandes nomes. O brasileiro, vindo do FC Barcelona, ​​é até hoje um dos laterais mais talentosos, humildes e profissionais que o clube já conheceu.


Durante a janela de transferências 2012-2013, ao lado do gigante sueco, foi uma avalanche de personalidades que mais uma vez vieram fazer o distintivo brilhar. Do sorriso de Lucas Moura à loucura de Ezequiel Lavezzi, aquela temporada também marcou a despedida de David Beckham dos gramados e a assinatura de um dos maiores defensores da era QSI: Thiago Silva. Enorme capitão que orgulhosamente utilizou a braçadeira durante oito temporadas, "O Monstro" neutralizou todos os ataques adversários e levou consigo a paixão da torcida.

Impossível não citar Marco Verratti, uma joia desenterrada em sua terra natal Pescara, e que rapidamente se tornou o grande queridinho dos torcedores e um dos maiores talentos da Cidade Luz. E depois, para além do seu talento e da sua ousadia, o italiano tornou-se também um dos jogadores com mais partidas na história do Paris Saint-Germain, além de ser o líder entre os que disputaram mais jogos europeus pelo clube.

Nos anos que se seguiram, todos viram sua cota de talentos emergir. Marquinhos, digno herdeiro de Thiago Silva, é a ilustração disso, tornando-se em Paris uma referência mundial em sua posição. Uma criança adotada pela capital, pronta para rugir juntos. E como resumir Edinson Cavani em poucas linhas? "El Matador", o maior artilheiro da história parisiense, marcou o clube com sua inimitável garra, seu relacionamento apaixonado com a torcida e seus gols. Lembramos também das chegadas borbulhantes de Gigi Buffon e Dani Alves em meio a uma multidão amorosa, marcando a história de alguns na grande história de todos.


E então, esta década nos leva ao time atual, onde a experiência encontra a juventude, onde o talento encontra a ousadia. É difícil não falar de Presnel Kimpembe, embaixador do centro de formação, ou Ángel Di María, mestre da arte de entregar assistências, tornando-se o melhor do quesito da história do clube em 2021.

Na outra extremidade do campo, também temos estrelas. Um currículo estonteante, um punho de ferro em luvas de veludo: Keylor Navas marcou todos os requisitos para um casamento perfeito. Imperial entre as traves, potente no ar, o nativo de San Isidro soube oferecer à capital uma serenidade incomparável nas maiores partidas.


E então, entre a constelação de jogadores que vieram povoar o vestiário parisiense, alguns foram capazes de empurrar para trás todos os limites. O "joga bonito" de um Neymar Jr. que veio iluminar a Torre Eiffel é um bom exemplo. O camisa 10, com o pé angelical e uma ginga diabólica, nunca para de encantar os gramados com seus dribles estonteantes. Ao seu lado, o filho de Bondy, Kylian Mbappé, cresceu constantemente para se tornar aquele que atinge as alturas, destrói os recordes e atende às demandas com desempenho. Jogadores de outra galáxia, como o marcador de páginas de uma década bordada com talento, alto padrão e amor pela camisa.